[ editar artigo]

Por que o E-Learning fracassou na pandemia?

Por que o E-Learning fracassou na pandemia?

E-learning é um dos termos mais populares no mundo para desígnio de interação online vinculado ao ensino. Neste aspecto, cabe uma reflexão sobre os resultados atingidos até agora.


  1. Tivemos êxito durante a pandemia sobre as adaptações das experiências presenciais para as interações online?
  2. Soubemos aproveitar a tecnologia para inserir os alunos num sistema integrado de ensino online?
  3. Conseguimos atender a demanda do ensino com as estruturas virtuais?
  4. Conseguimos manter o ritmo de desenvolvimento cognitivo ao usar a linguagem online

Saiba como fazer um lançamento de curso online aqui:

 


Essas e outras perguntas estão sendo analisadas por educadores do mundo inteiro para a compreensão dos resultados da pandemia. Pois, a geração que ficou confinada entre 2020 e 2022 sofrerá as consequências disso por décadas.

Falta de preparo para produção do e-learning

Vários estudos (Aboagye et al. 2020) abordaram as oportunidades e desafios associados à transição para a aprendizagem tradicional em vez de e-learning. Uma das principais razões para o fracasso das iniciativas de ensino online é a falta de preparação para esta experiência.

Há uma larga identificação sobre as deficiências técnicas e as dificuldades de linguagem durante a experiência virtual.


Cabe uma genuína observação:

Esta postagem não leva em consideração a precária inclusão de uma grande parcela populacional que não tinha estrutura econômica para acompanhar a velocidade de adaptação de qualquer sistema virtual.

Compreendo, inclusive, que este elemento foi um dos grandes responsáveis, senão o maior, pelas sequelas educacionais e baixa adesão dos sistemas online no Brasil e no mundo. Os mais pobres não tiveram oportunidades iguais por não ter estrutura socioeconômica e sofreram abandono por grande parte dos gestores políticos mundiais.


Neste sentido, grande parte das sequelas educacionais também são influenciadas pelos equívocos ou abandonos técnicos para a instituição do ensino em regime online.

Pouco houve, durante a pandemia, preocupações genuínas sobre questões simples, tal como:

São perguntas simples e que já estão organizadas a serem respondidas por profissionais de grande experiência. Porém, pouco acionados, deixaram de contribuir com todas as validações didáticas relativas ao ensino online. Uma pena.

Agora, estamos percebendo as consequências disso em diversos estudos científicos espalhados pelas academias do mundo.

Registros científicos sobre e-learning

Um estudo que visa investigar as características, benefícios, desvantagens e recursos que impactam o ensino online foi apresentado em (Ms & Toro, 2013 ).

Algumas das características demográficas, como comportamentos e antecedentes culturais, afetam a educação do aluno no domínio do e-learning.

Portanto, para que os professores projetem atividades educacionais para tornar o aprendizado mais eficaz, eles devem entender esses recursos.

O estudo é aplicado a estudantes no Líbano e na Inglaterra para ajudar os instrutores a entender o que os acadêmicos esperam dos sistemas de gerenciamento de aprendizado.

Questionário para estudantes de nível universitário

A análise da eficácia do E-learning para estudantes de nível universitário foi introduzida em (Ali et al. 2018 ). Um questionário foi aplicado a uma amostra de 700 alunos, 94,9% deles utilizam diferentes técnicas e ferramentas de e-learning.

Para medir a confiabilidade e consistência interna dos fatores, é aplicado o teste alfa de Cronbach.

Para retirar as variáveis ​​e calcular a carga dos fatores no estudo, é aplicada a análise exploratória de características. Os resultados demonstram que os alunos afirmam que o sistema on-line é fácil de usar, economiza tempo e é acessível.

O e-learning é estudado antes da pandemia

Várias previsões de processos didáticos online para fins educacionais foram ilustradas em (Samir et al. 2014 ). O estudo visa mostrar como manter os alunos motivados no e-learning.

A avaliação das motivações dos alunos para a aprendizagem online pode ser um desafio devido à falta de contato face a face entre alunos e professores. O estudo mostra que uma forma de aumentar a motivação dos alunos é permitir que eles preencham um formulário de avaliação online sobre motivação.

O estudo sugere cinco hipóteses de pesquisa a serem inspecionadas para identificar quais hipóteses devem ser aceitas e quais não devem. Caso tenha interesse em se aprofundar neste estudo, basta clicar no link.

A motivação do e-learning acompanha sua eficiência didática

A força da relação entre a motivação dos alunos e a educação on-line é ilustrada em (Harandi, 2015 ). Os dados foram coletados de estudantes da Tehran Alzahra University, e o coeficiente de correlação de Pearson foi utilizado para análise dos dados.

Os resultados deste estudo revelaram que alguns pontos devem ser considerados antes da utilização do E-learning.

No entanto, este estudo foi restrito a uma cultura, o que pode limitar a generalização de seus resultados.

Derrubando mitos sobre e-learning

O estudo descrito em (Oludare Jethro et al. 2012 ) mostrou que o ensino online é uma nova atmosfera para os acadêmicos, pois ilustra como tornar o e-learning mais eficaz no campo educacional e as vantagens do uso do sistema didático online.

O resultado do estudo mostrou que os alunos estavam dispostos a aprender mais com menos comunicação social com outros alunos ou professores.

Por isso, vale sempre a pena compreender a dinâmica do ensino online como um ponto de vantagem sobre estratégias didáticas. Não se trata de substituir, mas de construir percepções complementares.

Por décadas a educação online caminha para convergir interesses didáticos, suprindo necessidades estruturais deficitárias. Porém, com a pandemia, este processo precisou ser acelerado, mas não estava preparado.

Percepções dos alunos sobre experiências online

Um estudo que visa destacar e mensurar os quatro Fatores Críticos de Sucesso a partir das percepções dos alunos é descrito em (Selim, 2007 ). Esses fatores são características do instrutor e do aluno, estrutura de tecnologia e suporte da universidade.

Os resultados do estudo mostraram que o fator características do instrutor é o mais crítico seguido pela infraestrutura de TI e suporte da universidade no sucesso do e-learning.

O fator menos crítico para o sucesso do e-learning foram as características dos alunos.

Treinamento online em empresas com e-learning

Certamente, o treinamento online promovido e produzido por empresas também bebe da mesma fonte das estruturas educacionais.

Claro que devemos perceber o aspecto andragógico quando estamos lidando com treinamentos corporativos.

Porém, eles são em essência experiências educacionais e condicionais a determinados objetivos de construção do conhecimento.

Por isso, percebe-se as inúmeras análises científicas promovidas bem antes da pandemia. Afinal de contas, todo o processo educacional visa aprendizagem em algum nível.

Com a tecnologia disponível em grandes corporações, obviamente, essa demanda didática seria de grande interesse dos analistas de e-learning.

Conclusão

Infelizmente, percebe-se que grande parte das dificuldades enfrentadas no processo de aprendizagem durante a pandemia foi a deficiência técnica por parte dos produtores e dos educadores.

Neste sentido, fica a necessidade de se gerar mais profissionais eficientes, uma vez que o e-learning se popularizou e revelou grande suporte didático para uma série de questões e demandas de ensino.

Não podemos negligenciar os aspectos evolutivos da linguagem online vinculada à educação. Por isso, os produtores de cursos, treinamentos e interações educacionais precisam dominar os aspectos técnicos da tecnologia de transmissão online, bem como os educadores dominarem dinâmicas didáticas para melhor transmissão do conhecimento.

Como Criar Curso Online
Rafael Cardoso
Rafael Cardoso Seguir

Produtor de cursos e treinamentos online, educador, escritor e comunicador experiente.

Ler conteúdo completo
Indicados para você